Em 2018, vou dizer «amo-te»

Texto vencedor | Desafio: «Uma nova oportunidade»

1844
Fotografia @ Pixabay | Cartaz © Laura Almeida Azevedo

Pela primeira vez, em muitos anos, não escrevi uma lista dos 12 desejos que queria ver realizados em 2018. Assim, e aquando do tocar das 12 badaladas, pedi pouco mais que o habitual, ainda que solicitado de forma menos minuciosa: saúde e felicidade, para mim e para os que preenchem a minha vida. Pela primeira vez, não me apeteceu ser muito detalhada em relação ao que queria porque, na verdade, e do alto das minhas quatro décadas já vividas, sei que, de uma forma geral, quero ser feliz! Muito feliz!

Contudo, as minhas quatro décadas passadas foram-me ensinando algo de muito importante: não basta querer. Há que ir à luta e sair para a guerra de peito aberto para atingir essa felicidade. Há que seguir sem medos e, sobretudo, dizer o que queremos sem receios. E foi com o propósito de dizer tudo, sem medos, que iniciei 2018.

Quando adolescente, tinha por hábito dizer tudo o que me passava pela cabeça. Como se costuma dizer em bom português: não tinha papas na língua! Contudo, olhando para trás, vejo que esta ideia de que dizia tudo o que queria não era 100% verdadeira. Sempre tive maior facilidade em falar das coisas que via e sentia de forma mais negativa do que propriamente das coisas positivas. Facilmente me insurgia contra aquilo que me soava a injustiça ou a atitudes negativas (contra mim e/ou contra o mundo). No que às coisas boas e aos sentimentos positivos diz respeito, sempre achei que os meus gestos falavam por mim e, por isso, sempre tive alguma dificuldade em dizer às pessoas «amo-te» e «gosto de ti». A minha própria família sempre foi mais de gestos grandiosos do que propriamente de palavras. E ainda hoje sou assim.

Tenho dificuldade em dizer, olhos nos olhos, às pessoas que me são tão necessárias quanto o ar que respiro, o quanto as amo, o quanto são importantes para mim, o quanto elas são imprescindíveis para o meu equilíbrio e bem-estar. E assumo que isso me traz, por vezes, menos bem-estar e felicidade do que gostaria. Penso sempre que devo essas palavras àqueles que me são caros. E devo-me isso a mim. Ainda que os gestos digam muito, o aconchego das palavras é enorme. Olhar nos olhos de alguém e dizer o quanto ele nos é essencial é deixar a nu um pouco da nossa alma, é baixar toda e qualquer proteção, deixando o peito aberto às balas, ainda que confiando que nenhuma bala virá daquele lado. É expor e entregar um pouco de nós próprios ao outro e esperar que ele faça o melhor uso desse pedaço.

Neste ano que aí vem, vou permitir-me dizer «amo-te» e «gosto de ti» aos muitos que me são essenciais. Vou deixar o coração e a alma nus para exprimirem o quanto amam, o quanto querem, o quanto sentem falta, o quanto têm saudade. Porque os que amo merecem e, sobretudo, porque eu mereço essa entrega.

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorVivemos do avesso
Próximo artigoO que fazer no fim de um relacionamento?
ESTEFÂNIA BARROSO, Steff — a alma sonhadora
Professora. Gosta de verão e de calor. Gosta de animais — sobretudo, de gatos. Gosta de uma boa história. Por isso, gosta de cinema e de literatura. Apreciadora de café porque precisa e de vinho porque merece. Sonhadora, sempre. Acredita, como diz o poeta, que «O sonho comanda a vida». Tem um blog: «Steff’s World – A soma dos dias».