Tudo tem um princípio, um meio e um fim

275
Fotografia @ Pixabay | Cartaz © Laura Almeida Azevedo

Tudo tem um princípio, um meio e um fim, certo?!

Bom… Não faço a mais pálida ideia onde fica o nosso final. Vais deixar isto assim? Sem um grande final épico de Shakespeare? A peça no teatro da vida a desenrolar e voilá… um final repentino. Acaba a cena e a história que criámos, fecham-se os panos do amor e retira-se o palco dos sentimentos. Fico sem chão onde pisar… como que a flutuar num manto de incerteza. Num labirinto fechado com os monstros dos meus medos, onde a saída está em vencer aquilo que sinto.

Depois de percorrer o mundo para te encontrar, desvendar todos os teus mistérios, lutar contra tudo e todos os que se metessem no nosso caminho, afastar qualquer nuvem que se pudesse tornar negra e te fazer chorar, garantir que tudo à tua volta deveria ter cor para poderes sorrir, ser o teu farol, de ter buscado a perfeição… não resta nada, apenas um cavaleiro esgotado depois de uma luta em vão.

E tal como nas palavras de José L.Peixoto «(…) continuo sem continuar, prossigo sem avançar, no centro do labirinto, perdido no que sinto.» Luto contra os meus demónios e este sentimento de injustiça.

Eu deveria saber que o segredo está na imperfeição. Porque é nela que te revês. Porque talvez… eu também me tenha apaixonado por ti por seres imperfeitamente perfeita.

Agora, vagueio sozinho pelas ruas vazias da cidade, vazio de ti, debaixo de uma lua cheia meio fosca e candeeiros trémulos. Caminho sobre pedras pálidas e tristes onde antes até nelas encontrava alegria. Vou até ao mar. Da mesma forma que as ondas vão e veem, talvez alguma me leve a tristeza ou quem sabe… mude a maré e me tragam nova esperança para este amor.

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorRasguei-te o vestido e entrei em ti
Próximo artigoA vida é dona do tempo
CARLOS MIGUEL LOPEZ, o aviador
Ele é um rapaz aventureiro, lutador e meio... bem... despassarado. Gosta da natureza, de explorar, de viver e sobretudo do mar, onde encontra o seu «eu» e a sua inspiração. Adora também voar e sentir-se livre. É um aviador porque não consegue estar com a cabeça num só lugar.