Guardas-me para sempre?

2910
Fotografia © Pixabay | Cartaz © Laura Almeida Azevedo

É a tua ausência que magoa, agora. Aquela que será permanente e que nos gravará apenas como memórias felizes na mente um do outro. Aquela que ainda não te contei como será. Aquela para a qual ainda não engendrei uma história, cheia de eufemismos e açúcar em pó, para que fira menos.

Tenho medo de não te ter. De olhar em volta e não ver o teu olhar meigo desenhar o meu sorriso. De não sentir as tuas mãos enlaçarem a minha cintura e sentir-me perder no teu cheiro.. a mar… a uma imensidão nossa que nunca vamos poder explicar.

É depois de te ter tão completamente, de partilhar contigo muito mais do que silêncios ou palavras desconexas, que sinto aquilo que nunca poderemos ser. Porque a corrente da vida nos empurra para direções diferentes, para lados do planeta distintos e nos encerra lá, longe do alcance daquilo que sentimos.

Guardas-me para sempre? Num cantinho especial do teu coração? Recorda apenas o som do meu riso, o toque da minha pele, o som da minha voz, o encaixe do meu corpo… Não guardes as lágrimas… Esquece-as e mantém quente na memória aquilo que construimos juntos. Polvilha com o amor que sabemos sentir, mesmo que não o confessemos, e torna-me parte indelével de ti. Como tu serás de mim.

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorNão me prometas nada
Próximo artigoNão te assustes com aquilo que fizeste de mim
MIRIAM AFONSO, a Mi
Escorpiã até ao tutano. Bem disposta e de sorriso fácil. Apaixonada pela vida e pelos outros. Prefere frio ao calor, chocolates a gomas e livros a sapatos. «Os Maias» são um bocadinho como a bíblia lá por casa e «O Principezinho» povoa cada espaço vazio nas estantes. É vizinha de um dos bairros mais bonitos do mundo - o do Amor - e escreve para se encontrar.