Não desistas de mim!

2380
Fotografia © Vikram Mudaliar | Cartaz © Laura Almeida Azevedo
Fotografia © Vikram Mudaliar | Cartaz © Laura Almeida Azevedo

Não desistas de mim!

Não vires as costas às escolhas que vida se encarregou de fazer por mim. Como tu sabes, ela foi-te buscar ao passado. Arrancou-te das profundezas da história que carregamos nas nossas almas. Determinou que tínhamos uma história que ainda não estava terminada. Havia um amor que ainda não tínhamos vivido na sua plenitude. Uma paixão que foi interrompida. Agora, era chegada a hora de a vivermos.

Por isso, te digo, não desistas de mim. Eu não irei desistir de te procurar. A vida vai-me ajudar a encontrar esse caminho que me levará até ti. A vida saberá dizer-me ao ouvido que rumo devo seguir. Que portas devo fechar, para que te possa alcançar. A vida faz-me sinal. Diz-me para que não pare. Para que deixe o passado no seu lugar e corra até ti.

Não desistas de mim. Guarda-me esses (a)braços que são só meus. Não os entregues a ninguém. Tu sabes, tão bem quanto eu, que eles foram feitos à nossa medida. São um vestido que só serve nos corpos, só serve ao nosso amor. Não desistas. Eu vou a caminho. Aguarda-me só mais um pouco. A vida pede-te para esperares por mim. Ela vai abençoar este amor que é só nosso.

Espera-me. Tudo irá ficar bem entre nós, quando os nossos olhares se cruzarem. A tua solidão acabará, quando sentir o calor do meu abraço na tua alma. Da mesma forma que o meu sofrimento morrerá nos teus braços, quando sentir o cheiro do nosso sentimento.

Ainda não será o amor que nos une. Os nossos corpos ainda não despertaram para a magia da paixão. Não nos tocámos. As nossas mãos ainda não se entrelaçaram. Mas existe esta cumplicidade que nos une. Esta chama que arde dentro de nós. Ainda não será amor, dizes-me tu. Mas olha bem para nós. Sente a intensidade deste sentimento que nasceu e cresce dentro dos nossos corações. Esta paz que nos veste a alma e que nos dá alento para continuarmos com esta luta.

Não desista de mim. É o que te peço. Temos de encontrar o dia e a hora certas para festejarmos o (re)nascimento deste nosso amor.

Se desistires agora, que farei eu sozinha no nosso futuro? Quem me irá sorrir e abraçar a cada amanhecer, dizendo-me que vale a pena viver?

A vida já iluminou os nossos caminhos. Já traçou rotas para nós os dois, para podermos chegar ao paraíso que nos está destinado. Não vires as costas a este amor que nos completa. Juntos seremos felicidade. Sozinhos seremos apenas migalhas de sofrimento, que se irão soltando no universo distante dos nossos dias.

PARTILHAR
Artigo anteriorO que me espera na margem?
Próximo artigoUma paixão no Palácio de Versalhes
ANGELA CABOZ, a miúda gira
Nasceu em Tavira há 49 anos. Desde a adolescência que é uma apaixonada pela leitura, pela escrita, pelo cinema e pela música. Escreve sobre sentimentos e, nas palavras, reflete a maneira de ver e de sentir o mundo. Em 2014, realizou um sonho: a publicação do seu livro «À procura de um sonho». Desde então, tem participado em várias obras coletivas.