O sentimento de insuficiência

1641
Fotografia © Rowan Chestnut | Cartaz © Laura Almeida Azevedo
Fotografia © Rowan Chestnut | Cartaz © Laura Almeida Azevedo

Muitas vezes, vivemos com o sentimento de que não somos suficientes, de que ainda necessitamos de transformar algo em nós, de que ainda necessitamos de ter algo, de que ainda necessitamos de conquistar algo, de que ainda necessitamos de atingir algo.

Este sentimento de insuficiência leva-nos a correr, a fazer. Contudo, muitas vezes é um fazer no vazio. Porque o sentimento que depois fica, o sentimento que perdura é um sentimento de “nada”, um sentimento de falta.

Esta ideia de que não somos suficientes foi implementada dentro de nós quando ainda éramos pequenos. Crescemos a acreditar nesta insuficiência. E, hoje, é de tal forma certa para nós que nem a ousamos questionar. Então, contaminamos as nossas relações, o nosso corpo, a nossa mente e, acima de tudo, a nossa alma.

Só que aquilo que a nossa alma mais grita é: «Tu és suficiente! Não precisas de fazer mais nada, não precisas de ser mais nada, não precisas de conquistar mais nada para receber o bom da vida. Tu és suficiente, agora.»

Quando começo devagarinho aceitar esta nova ideia dentro de mim, quando começo devagarinho a permitir que esta nova ideia ganhe espaço dentro de mim, aí, sim, começo a entrar no fluxo da vida. Aí, sim, começo a abrir a abundância que já existe em mim, o amor que já existe em mim.

E para isso acontecer apenas tenho que permitir, por momentos, que uma nova ideia ganhe força dentro de mim.

Que sintas, neste momento, o apelo da tua alma e que sintas dentro de ti que és suficiente agora.

Um beijo enorme e até já!

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorA minha receita para ser(es) feliz
Próximo artigoA minha receita para ser(es) feliz
LÍGIA SILVA, a coach
Ela é autêntica, mulher e, acima de tudo, humana. Adora falar e escrever de coração para coração. Tem como principal paixão a descoberta da mente humana e adora que esta viagem seja feita com sentido de humor e com uma boa gargalhada. Acredita na simplicidade da vida e na possibilidade de cada um de nós fazermos aquilo que mais nos preenche.