Os meus sonhos continuam a ser os meus sonhos

9794
Fotografia © Riciardus | Cartaz © Laura Almeida Azevedo
Fotografia © Riciardus | Cartaz © Laura Almeida Azevedo

O tempo passa e não há retorno.

Há dias em que a vida parece estagnada, mas, quando damos por ela, tudo mudou. As pessoas, os sentimentos, os sítios. Nós mudámos.

Parece que pensamos da mesma forma, que temos os mesmos gostos, as mesmas convicções que tínhamos há 10 anos. Mas não! Com o tempo sabemos aquilo que já não queremos na nossa vida.

Olhamos para as fotografias e tudo mudou. Observamos as pessoas que nos deixaram para sempre. Que deixaram um pouco de si em nós. E sentimos saudades. Observamos as pessoas que se afastaram da nossa vida, que tivemos, um dia, como amigas. Que tiveram a missão de nos ensinar alguma lição e nos fazer crescer. Observamos as pessoas que se cruzaram na nossa vida e que, agora, tomam um rumo diferente na construção da sua felicidade. E que continuam no nosso coração. São muitas as pessoas que passam pela nossa vida. Umas marcam-nos, outras deixam apenas pequenos laivos na memória, outras pertencem ao nosso ciclo direto, outras ainda de quem nunca mais nos lembramos.

E todas as pessoas que se cruzam no nosso caminho, todas sem excepção, têm uma missão. Pode não ser perceptível no presente, mas, um dia, entenderemos. Um dia, agradeceremos mesmo àquelas que nos fizeram sofrer.

Longe da família e, embora rodeada de pessoas, a maior parte dos dias sentindo-me sozinha, sinto-me grata pela minha vida, por todas as pessoas que se cruzaram no meu caminho.

Depois de errar, de chorar, de cair, e voltar a cair, de desaprender, de lutar, é hora de continuar. Partir de onde fiquei!

Porque os meus sonhos continuam a ser os meus sonhos. Porque não desisto. Porque, apesar das minhas fraquezas, avanço. Porque não me deixo abalar pelo medo. Porque, apesar de tudo, esse tudo é que me faz crescer! Crescer enquanto pessoa que sou e que admiro.

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorCoração de cartolina
Próximo artigoFui mulher à força
CARINA MAURÍCIO, a fotógrafa
É budista e conservadora-restauradora. É de riso e choro fáceis. Tem tanto de sensível, quanto de corajosa e lutadora. Adora fotografar, jogar ténis e viajar. Viciada em comida, é fã de comida italiana. Gosta de dormir, de café, de chocolate. Dançar? Pode ser a noite toda. Mas também gosta de ficar na ronha, em casa, entre filmes e pipocas. Adora o som da chuva a cair no inverno e o som do mar em dias de verão. Campos floridos enchem-lhe o olhar, assim como as cores das folhas do outono. Apaixona-se facilmente e é uma apaixonada pela vida. Uma geminiana pura.