Entrevista: Sou destemida, corajosa e bem-disposta

1221

584_EntrevistaCarinaMiriamAHá alguns dias, decorreu, aqui na plataforma Desafio-te, mais um desafio em direto. Desta vez, fomos desafiados a fazer uma entrevista. Um dos autores seria entrevistador e outro o entrevistado. Como fiz par com a Miriam, o mais recente membro desta plataforma, propus ser eu a entrevistá-la. Assim, todos poderíamos ficar a conhecê-la um pouco melhor.

P: Olá, Miriam. Chegaste hoje ao Desafio-te. Gostava de te conhecer um pouco. Onde vives? Quantos anos tens? Qual a tua profissão?

R: Olá Carina. [sorriso] É verdade. Cheguei hoje ao Desafio-te e sinto-me verdadeiramente entusiasmada! Sou da margem sul do Tejo e sou empresária na área da educação. Tenho 27 anos.

P: Como descobriste o Desafio-te?

R: Estava eu pacificamente no meu sofá, a ver um feed de notícias entediante, quando duas pessoas muito importantes para mim me identificaram na publicação da Laura. Só podia ser um sinal do Universo! E aqui estou eu.

P: O que significa para ti a escrita? 

R: Escrever faz parte de quem eu sou. Todos os que me conhecem não demoram muito a entender a minha paixão pela literatura. O meu mundo é povoado por livros e os meus verdadeiros heróis são escritores.

P: Tens alguma página, blog ou livro da tua autoria?

R: Já escrevi muito, mas, desde que fui mãe e me tornei empresária, acabei por deixar isso para trás. A verdade é que estou numa fase de voltar às raízes e o Desafio-te foi a resposta às minhas preces. Mantinha um blog que se chama Inspiração Secreta e espero que receba agora uma lufada de ar fresco.

P: Quais são os teus escritores de referência? 

R: Sou apaixonada por livros no geral. Gosto do desfolhar, do cheiro e um passeio a uma qualquer Fnac ou alfarrabista é, para mim, uma ida ao paraíso. Eça de Queirós e Fernando Pessoa fazem parte dos meus preferidos.

P: E há algum livro que te marque?

R: “Os Maias” de Eça de Queirós. É o livro que leio todos os anos religiosamente. Mais recentemente, “A Sombra do Vento” de Carlos Ruiz Záfon. Levou-me muito longe no que toca a aproximarmo-nos de um personagem fictício.

P: Além da escrita, quais são as tuas paixões?

R: Trabalhar com os meus alunos e dançar são outras das minhas paixões.

P: Dás aulas de quê?

R: Dou apoio ao estudo nas áreas de História, Geografia e Ciências da Natureza.

P: E, em relação à dança, qual o tipo de dança que gostas mais?

R: Acho que de um bocadinho de tudo! A música inspira-me e conecta-me com uma dimensão diferente. Por isso tudo o que faça o meu corpo mexer é uma boa escolha.

P: Consegues dizer-me uma música preferida?

R: Ui, que pergunta difícil! Tens de me dar uns dois minutos para conseguir responder. [Pausa] “Its all so quiet” da Bjork. Porque, por mais difícil que seja o meu dia, é a música que me dá vontade de subir para cima da mesa e mexer até não ter mais fôlego.

P: E o teu filme preferido?

R: “Up, Altamente”. De animação e com uma história linda como base.

P: Por falar em coisas preferidas, há algum tipo de comida que te leva à loucura?

R: Chocolates! Que vício tremendo! Se for mesmo comida de faca e garfo, não fujo a uma muamba ou a uns carapaus com molho à espanhola. Portanto, sou bom garfo e gulosa até à ponta dos cabelos.

P: Agora, três qualidades e três defeitos que te caracterizam?

R: Sou destemida, corajosa e bem-disposta. Sou teimosa, preguiçosa e, quando me chateio, sou demasiado “bruta”.

P: [Risos] Preferes campo ou praia?

R: Campo.

P: O que te move na vida?

R: O amor por tudo o que me rodeia.

P: Tens alguma viagem de sonho que gostasses de fazer?

R: Índia.

P: Porque a Índia?

R: Maravilha-me ser um país de contrastes. Porque me puxa a veia espiritual. Ao mesmo tempo, confronta-me com uma dimensão de população e de carência que nos faz avaliar a nossa vida e os múltiplos problemas que gostamos de realçar durante todo o dia. É um país que, de certo, nos muda.

P: Qual o teu maior sonho?

R: Escrever o meu livro.

P: Já tens alguma ideia para ele?

R: Sei que será um romance. E que há frases que andam aqui a “bailar” há vários anos e que fazem sentido fazer parte dele.

P: Queres mencionar alguma?

R: Deixo-te um parágrafo: «É o meu mundo que procuro nas tuas entrelinhas. Desfolho-te devagar. Sem pressas. Com a calma típica de quem saboreia o aroma seco das tuas vivências. Inspiro mais uma vez e deixo-me ir, tocando nas cicatrizes que te esqueceste de esconder. Ali estão elas, marcadas nas margens rugosas daquilo que és. Será que é no seu relevo e caminho que encontro a essência de nós dois? Viro outra página e, no meio da tua caligrafia agitada, encontro o meu nome… perdido no meio de frases confusas e cheias das intermitências da tua alma…»

P: Estou ansiosa por começar a ler-te no Desafio-te. O que esperas deste desafio(-te) na tua vida?

R: Espero encontrar pessoas fantásticas que me inspirem e me motivem. Espero desenferrujar e tirar o pó da minha capacidade criativa. E, claro… espero adorar cada passo!

P: Estamos motivados por te ter cá e certamente não te irás arrepender. Para nós também é sempre refrescante ler novos desafiados. Gostava de saber: se fosses a personificação de um sentimento qual serias?

R: Entusiasmo [sorriso].

P: Consegues definir-te numa frase?

R: Sou uma bookworm com a mania que é escritora.

P: Há algo mais que gostasses de acrescentar sobre ti?

R: Sim! Sou madrinha do bairro mais lindo do mundo. O Bairro do Amor, uma associação de solidariedade. Sou escorpião, por isso meio bipolar. Gosto muito de pantufas e mantinhas. Tenho uma alma antiga um bocadinho assustadora. Na minha aliança de casamento, não escrevemos datas, mas sim uma citação do Principezinho. Tenho o filho mais maravilhoso do mundo.

P: Fantástico, Miriam [sorriso]. Obrigada por essas revelações que certamente nos dizem muito acerca da tua pessoa. Já agora, que citação do Principezinho?

R: «O essencial é invisível aos olhos!»

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorO texto que não quero escrever
Próximo artigoNão há volta a dar
CARINA MAURÍCIO, a fotógrafa
É budista e conservadora-restauradora. É de riso e choro fáceis. Tem tanto de sensível, quanto de corajosa e lutadora. Adora fotografar, jogar ténis e viajar. Viciada em comida, é fã de comida italiana. Gosta de dormir, de café, de chocolate. Dançar? Pode ser a noite toda. Mas também gosta de ficar na ronha, em casa, entre filmes e pipocas. Adora o som da chuva a cair no inverno e o som do mar em dias de verão. Campos floridos enchem-lhe o olhar, assim como as cores das folhas do outono. Apaixona-se facilmente e é uma apaixonada pela vida. Uma geminiana pura.