E que tal um striptease?

1099

Fotografia © Cristian Newman | Cartaz © Laura Almeida Azevedo
Fotografia © Cristian Newman | Cartaz © Laura Almeida Azevedo

Hoje, conseguia conquistar. Sinto-me poderoso.

Sinto a música nas minhas veias. Sinto as batidas a acelerar o meu coração. Sinto o quente no meu corpo e o suor a repulsar-se dele mesmo. Sinto-me inovado – um novo ser, uma nova pessoa. Será a confiança a apoderar-se de mim próprio? Nunca me senti assim.

Por norma, não sou assim. Sou muito inseguro, ou… era?

Sinto as batidas na minha mente e imagino-me numa dança sem fim. Vejo os meus braços a balancearem-se contra as luzes neon – contra as luzes UV. Sinto-me tão renovado.

Sou capaz de devorar.

Sou capaz de falar com qualquer pessoa.

Sou capaz de dançar em cima do balcão.

E que tal um striptease?

Estou diferente… Algo em mim despertou. Talvez o «não querer saber»? O que terá provocado tal acontecimento? Talvez tenha começado a preocupar-me mais comigo mesmo. Estarei a amadurecer? Estarei apenas numa fase passageira?

Num dia qualquer de parvalheira?

Não creio.

Juro que me sinto diferente. Sinto uma chama que se acendera no meu peito. Um ardor de libertação. Sentia-me tão preso, mas, agora, onde foi esse sentimento? Fugiu? Teve medo de mim?

Tanta pergunta, eu sei…

Mas o que se passa comigo?

Continuo a ouvir as batidas. Sinto-as na minha pele. Fecho os olhos. Imagino-me para além da realidade.

Talvez seja a minha imaginação, mas acho que este sou apenas eu.

Eu sei que tenho uma mente criativa, mas isto não pode ser assim… Imaginação a emergir-se na realidade?

Estou são? Serei são?

Não interessa. Só ouço a batida.

Será a música? Será o álcool?

Não estou eu.

Estou confiante.

Espero que não seja a música ou o álcool.

Espero que seja o meu novo eu.

Mas…

Estou tão liberto…

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorA oportunidade de ser «eu»
Próximo artigoSinto que sou duas
CÉSAR DA SILVA, o independente
Gosta de gelados - muitos gelados! Diverte-se com pouco e cansa-se da rotina facilmente. Gosta de rir e, acima de tudo, de escrever. Sente aquilo que escreve e imagina tudo num mundo totalmente diferente, criado na sua própria mente. Tem 22 anos e sempre conquistou a sua independência. Adora boas séries e bons filmes. É viciado em entretenimento. Escreve aquilo que sente e gosta de dar asas à sua criatividade.