Uma infância (in)feliz!

976
Fotografia © Ryan McGuire | Cartaz © Laura Almeida Azevedo

Foi. Partiu. Uma das crianças já não existe. Mas a triste, a infeliz. A criança feliz está cá, está viva, está bem. Uau! O céu é mesmo azul, as nuvens mesmo brancas. Uau! O algodão-doce é mesmo docinho. A água é mesmo transparente. A laranja é meio-amarga… Espera. Agora, é meio-doce. Bem, agora sabe bem o baloiço, sabe bem jogar à bola, na terra encharcada, enlameada. Riem-se das minhas figuras. Eu também. Estou cansado de receber abraços e beijos, de me sentir especial. Curioso, esta criança não é mimada, mal criada ou insegura. Uau! Criança forte, imaturamente crescida, parece um adulto infantil. O mundo dela tem centenas de cores. O ar puro não acaba. Não tem desilusões. Tudo vale, tudo serve, tudo muda, tudo se aceita. Bem, agora sabe bem ter esta criança… Dá energia, motivação, ação. Só apetece é voar. Esta criança deixa qualquer adulto extasiado. Esta criança faz qualquer adulto querer viajar ao passado, ficando simultaneamente no seu presente. Uau! Estava adormecida, a falar baixinho:

— Olha, olha! Quero brincar! Estás aí? Adultozinho, está na hora de acordar!

Oh, criança feliz, como estou contente por teres voltado! A outra partiu. Tu vieste para ficar.

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorA Disneyland não é só para crianças
Próximo artigoAcredito que nada é eterno
TIAGO MAGALHÃES, o Pudim Flan
A receita dele é simples: boa quantidade de amor, juntamente com doçura e um lado apimentado. A este preparado junta emoções, rebeldia, mas é calmo. Acompanhar esta receita ajuda, pois vai, de certeza, receber dela humor, brincadeiras, carinho e amizade. Descobriu a escrita ainda tenro. Percebeu que gosta de cozinhar, lentamente, palavras e sentimentos, não fosse ele cozinheiro de profissão. Tem 25 anos e o seu lado aventureiro já o levou a conhecer novos países e culturas.