A necessidade de mudar!

2552
Fotografia © Dmitry Ratushny | Cartaz © Laura Almeida Azevedo
Fotografia © Dmitry Ratushny | Cartaz © Laura Almeida Azevedo

Por vezes, a nossa alma urge por algo novo, por mudança. Esta sensação torna-se, a cada dia que passa, mais presente e, por vezes, até dolorosa. Nasce dentro de nós a sensação de: «Eu sei que tenho que fazer algo, mas não sei o quê.» Apenas sentimos que precisamos de mudar.

Se, por alguma razão, tens dentro de ti esta necessidade de mudança, deixo-te aqui quatro dicas:

1. Tem em atenção as mudanças que vais fazer. Mudar apenas por mudar não transforma essa sensação. Na maior parte das vezes, achamos que pode estar relacionado com o nosso emprego, relação, dinheiro, mas não. Está diretamente relacionado com a nossa necessidade de realização pessoal.

2. Lembra-te que este conflito torna-se ainda maior quando tu não tens clareza. Ou seja, a tua mente não tem uma ordem do que deve fazer. Então, pode encontrar-se numa fase em que apenas está focada em identificar tudo o que está mau na tua vida.

3. É possível sentirmos realização pessoal ao longo dos nossos dias. Para isso, não é necessário ir para o Tibete e meditar 24 horas seguidas. Na maior parte das vezes, em nada tem a ver com aquilo que estamos a fazer no momento (exemplo: profissão), mas, sim, com aquilo em que a nossa mente está focada.

4. Tem em atenção o teu estado emocional, a forma como te estás a sentir. Se estás triste, magoado ou com raiva, à partida as decisões que vais tomar vão ter por base o medo. É muito importante, antes de cada decisão, estares no teu melhor estado emocional.

Um beijo enorme e até já!

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorVenham mais 500, sff!
Próximo artigoA Disneyland não é só para crianças
LÍGIA SILVA, a coach
Ela é autêntica, mulher e, acima de tudo, humana. Adora falar e escrever de coração para coração. Tem como principal paixão a descoberta da mente humana e adora que esta viagem seja feita com sentido de humor e com uma boa gargalhada. Acredita na simplicidade da vida e na possibilidade de cada um de nós fazermos aquilo que mais nos preenche.