A culpa

399
Ilustração/Cartaz © Laura Almeida Azevedo
Ilustração/Cartaz © Laura Almeida Azevedo

E agora? Já não tens saudades? Dizes-te preocupado comigo… Balelas! Dizes-te assustado com o meu sentimento… Cobarde! É o que és! Um cobarde amedrontado pelo sentimento mais cristalino do universo: o amor.

Sempre te dei tudo. Nunca te pedi nada. Nunca me deste tudo, mas sempre quiseste o meu “tudo”. E eu sabia-o! Então, porque é que me sinto assim, como se me faltasse tudo?! Será esta a parte do amor que tanto temia conhecer, um dia? Se é, é uma treta! É um lixo que queria deitar fora, mas não consigo.

O silêncio que impuseste em nós dilacera-me o coração. A minha alma está desfeita, os meus olhos sangram e as minhas mãos perderam o rumo. Porra, que isto dói! E de quem é a culpa? Será tua? Será minha? Não!

É daquela coisa chamada: amor!

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorEu também choro
Próximo artigoArco-íris: o lugar onde tu estás
LILIANA FONSECA, a blue angel
Em busca da Arca dos Sonhos, descobriu nas palavras a primeira chave... Tímida por defeito​ genético, coloca na escrita o seu à vontade, o seu saber, de quem tem muito ainda para aprender. Gosta muito de rir e fazer rir, mas também chora quando assim tem de ser. Caçadora de sonhos, adora partilhá-los com a gente desta «terra». Gosta de teatro e ainda mais de o fazer. Já fez dramas, revistas à portuguesa e atualmente comédias. Recebeu uma Menção Honrosa no teatro, pelo seu desempenho, como «Madalena» em «O Processo de Jesus». Adorava ter uma música para um dos seus textos. Ah! E, já agora, adora uma flor amarela.