Fecha a porta!

6028
Fotografia © Ligia Silva | Cartaz © Laura Almeida Azevedo
Fotografia © Ligia Silva | Cartaz © Laura Almeida Azevedo

O fim de um relacionamento é sempre um processo muito desafiante, que nos deixa vulneráveis e a questionar cada parte nossa. Por vezes, o fim desse relacionamento reabre feridas antigas que parecem mais próximas e mais nossas do que nunca.

Acredito que é importante sentirmos a dor e a saudade do fim de um relacionamento. Contudo, o que, por vezes, não conseguimos fazer é o fechar a porta.

Quando falamos de fins de relacionamentos, podemos encontrar dois cenários:

1º O relacionamento terminou. Sentimos dor, saudade, tristeza, mágoa. Por muito mau e triste que seja, este é um cenário que até é saudável, porque, no fundo, aceitamos que o relacionamento terminou. E começamos a desenvolver o nosso processo de reconstrução.

2º No segundo cenário ou possibilidade, não fechamos a porta. Ainda vivemos na expectativa do relacionamento continuar, ou então queremos perceber o porquê de ter terminado, ou temos uma urgência em obter respostas. Este cenário também é normal. Contudo, é o mais doloroso. Isto porque não temos paz, vivemos na expectativa e demos o nosso poder, o nosso feliz agora à outra pessoa.

Por isso, se estiveres neste segundo cenário, por favor, não deixes o teu fechar de porta para a outra pessoa. Assume tu o teu poder interno e decide o que queres para ti. Isto porque, quando eu deixo que a outra pessoa decida por mim, eu estou a dar-lhe a minha vida, eu estou a dar-lhe poder sobre mim.

Fecha as portas que necessitas para avançar e para sentires a paz que mereces.

Um beijo enorme e até já!

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorOs paradoxos do amor
Próximo artigoSonhar, amar e viver!
LÍGIA SILVA, a coach
Ela é autêntica, mulher e, acima de tudo, humana. Adora falar e escrever de coração para coração. Tem como principal paixão a descoberta da mente humana e adora que esta viagem seja feita com sentido de humor e com uma boa gargalhada. Acredita na simplicidade da vida e na possibilidade de cada um de nós fazermos aquilo que mais nos preenche.