Aprendi com este (teu) amor

1479
Ilustração/Cartaz © Laura Almeida Azevedo
Ilustração/Cartaz © Laura Almeida Azevedo

Nunca te esquecerei! Não sei o que a vida nos reserva. Se vamos estar juntos ou separados! Se amigos ou amantes. Podemos ainda vir a ser tudo o que sonhamos, juntos para uma vida, onde podemos ser tudo que quisermos. Amigos, companheiros, amantes, cúmplices… seriamos tudo isso e muito mais!

Irei para sempre agradecer-te o amor, carinho e dedicação que me deste de forma livre e dos momentos únicos e especiais que me proporcionaste. És um ser maravilhoso, mesmo com os teus defeitos. Não imagino ninguém melhor para partilhar uma vida.

Aprendi contigo que devo desfrutar de tudo o que a vida me dá da melhor forma possível, mas com calma para poder saborear cada bocadinho. Aprendi contigo a ver sempre o lado positivo das coisas que me parecem menos boas. Aprendi contigo a valorizar-me. Aprendi contigo a tirar da gavetas todos os sonhos que lá tinha guardado.

E sabes? Tirei todos os sonhos cá para fora. Todos! Percebi que os meus sonhos, juntos dos teus, seriam a fórmula perfeita para a nossa felicidade. Fizeste-me acreditar que ainda estaríamos a tempo de os realizar, mas agora não sei se irá ser assim!

O tempo passa a uma velocidade que não está a permitir tomar decisões, que não está a permitir alcançar o que tanto queremos. Tenho medo de que a vida nos mostre que, afinal, já não temos tempo! Há dias em que parece tudo cinzento, dias em que este coração está triste.

Quero tanto tudo aquilo que, um dia, idealizámos juntos. Quero tanto que me continues a amar como no dia em que nos conhecemos. Quero tanto continuar a amar-te como nunca antes eu imaginei ser possível.

Mas não basta só querer. Temos que fazer acontecer.

Passamos parte da nossa vida a suportar a infelicidade, porque ficamos presos ao dever de continuar a fazer a vida ao lado de quem não nos faz feliz. Mas com medo continuamos ali, nessa vida quase vazia. Medo das opiniões alheias. Quando o que queremos é ser felizes, a falta de coragem é que mata o amor.

Nunca te esquecerei! Porque é impossível esquecer o único amor que a vida nos dá. Mesmo sendo difícil, é único e verdadeiro.

És, sem dúvida, o meu primeiro amor. Veio tarde, mas chegou e quero que fique para sempre. É injusto se for embora! A coragem tem de existir. A força tem que vir ao de cima. Não podemos ter medo. Temos de acreditar que, afinal, ainda estamos a tempo. Os dias cinzentos têm que ganhar cor. Os dias tristes têm que virar alegria. Os nossos corações não merecem sofrer mais, mas só nos cabe aos dois mudar o rumo de tudo isto.

Não basta só querer, temos que fazer acontecer.

És capaz?

Estarei ao teu lado… Confia!

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorAntes e depois de ti
Próximo artigoO poder de decidires a tua vida está nas tuas mãos
MATILDE GOMES, a emotiva
É sonhadora — tanto que, desde há muito, tem uma lista de sonhos a realizar — e é a viajar que quer iniciar a sua aventura pela vida. Apaixonada pela leitura, é na escrita onde se sente livre, tendo sempre presente o amor e a dor. O seu interior é um turbilhão de emoções, onde reside as lágrimas e os sorrisos. Para a Matilde, o abraço é o gesto que melhor revela os sentimentos.