O pior mais verdadeiro

2200
Ilustração/Cartaz © Laura Almeida Azevedo
Ilustração/Cartaz © Laura Almeida Azevedo

Pior do que dizer um adeus é a incerteza de ficar entre o nada e o vazio. Pior do que não ter oxigénio é querer respirar fundo e nem existir espaço para um suspiro. Pior do que ficar parado é a impotência do movimento, a falta de vontade que o corpo demanda sobre a alma.

Pior do que um coração incerto é o rasto de destruição e miséria que o suporta. Pior do que não saber o caminho é viver em encruzilhadas distantes da realidade. Pior do que não conseguir ver é deixar que a vontade sucumba por entre os dedos.

Pior do que ver a vida de longe é mesmo não saber esmiuçar o tempo e ser feliz!

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorQual o tamanho do teu novelo?
Próximo artigoImagino!
PAULA VIEIRA, a miúda dos instantes
Ela é a Natureza, a força sem noção, e portadora de uma alma leve — de um diamante em bruto. Ela é a vontade de viver e de conhecer o que está mais além. Ela é a ternura por desvendar, é o horizonte por alcançar. Ela é o ativo em pessoa — exercita o corpo e a mente. É esfomeada — não literalmente, mas sim pela vontade de conhecer. Escreve e desafia as palavras. Vive e anseia pelo amanhã! É uma alucinada pelas descobertas e, quando ama, ama sem dó, nem piedade... Ela é assim. É a Paulinha!