Valoriza-te!

1247
Fotografia © Andreia de Castro | Design © Laura Almeida Azevedo
Fotografia © Andreia de Castro | Design © Laura Almeida Azevedo

Valor! «Eu tenho valor!» Foi quando me disse estas palavras que eu soube — nesse preciso e exato momento — que sou bem mais do que aquilo que um espelho transmite.

Há tanto por escrever. Tanto por dizer. Tanto por acrescentar. No entanto, acabamos por optar pelo silêncio. Talvez por insegurança, receio, comodismo, falta de coragem em arriscar. Ou, simplesmente, porque ainda não foram encontradas as palavras certas.

Ir ou ficar?

Querer ficar queremos sempre, por toda a carga emocional que existe onde decidimos crescer. Por tudo o que foi construído e vivido ao longo dos anos, e que com muita maturidade carregamos conosco como um álbum de fotos e memórias.

Querer ir é a última resposta ao desespero de estar onde já não somos valorizados. Por tudo o que foi vivido e construído já não ser suficiente para viver. Porque com a idade passamos a querer mais do que sobreviver, com muito sacrifício, a mais um dia difícil.

No entanto, pelo caminho já me consegui valorizar.

Mas o caminho nunca acaba. Há estradas pelas quais vale a pena passar. Quanto mais não seja pela paisagem. Pelas fotos e memórias que podemos, mais uma vez, armazenar.

Em suma, a questão aqui é: Já descobriste o teu valor? Que tens feito tu com essa descoberta?

A vida, por vezes, exige de ti. Há momentos em que deves parar para pensar em ti.

Ir ou ficar?

Decide por ti. Não deixes que te decidam…

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorSó sei sentir assim!
Próximo artigoA arte do perdão
ANDREIA DE CASTRO, a princesa
Se fosse o seu pai, dir-nos-ia: «A Andreia é uma princesa... Só ainda não sabe que o é.» E, para ele, isto definiria tudo. Porque a Andreia é amor. Amor pelos outros, mas não tanto por ela própria. Porque a Andreia é família: vive para e por eles. Porque a Andreia é o sorriso, a lágrima, o vento, o sol, o silêncio, o mar e o céu sem limite. E, além de tudo disto, a Andreia é ainda solitária, viajada, artista, insegura, auto crítica, beijoqueira. É a princesa que o pai sempre quis ter. E que, até ao parto, esperavam que fosse um menino... Mas a Andreia, porque também é sentido de humor, enganou tudo e todos. E não se limitou a nascer menina. Nasceu princesa.