És o meu Super-Herói

480
Fotografia © Inês Diniz | Design © Laura Almeida Azevedo
Fotografia © Inês Diniz | Design © Laura Almeida Azevedo

És o meu Super-Herói. Estás sempre lá para me salvares, especialmente quando o meu despertador não toca.

És o meu Super-Herói. Ajudas quem está com dificuldades, incluindo quando começo a embirrar com funções ou a trocar valores lógicos.

És o meu Super-Herói. Tens uma paciência interminável, que é posta à prova quando estou com fome e me transformo numa Diva.

És o meu Super-Herói. Fazes qualquer um rir às gargalhadas, fazendo-me, por vezes, engasgar com a água que estava a beber, enquanto contavas mais uma das tuas piadas.

És o meu Super-Herói. Gostas de pensar, tal como eu, fazendo com que, volta não volta, tenhamos as nossas conversas sobre tudo e sobre nada.

És o meu Super-Herói. Não voas, mas fazes-me voar. Não tens capa, mas não trocas as tuas camisas por nada deste mundo. E, felizmente, vestes primeiro as cuecas e só depois as calças.

És o meu Super-Herói. Sei que não tens Super-Força apenas porque as tuas costas não te permitem e dispensas a Super-Rapidez, pois a velocidade não te deixaria apreciar as mais belas paisagens.

És o meu Super-Herói. E, como bom Super-Herói que és, também tu tens a tua Kryptonite. Não vou dizer qual é, pois ninguém pode saber aquilo que é capaz de deitar abaixo o meu Super-Herói.

És o meu Super-Herói. Superas qualquer Homem-Aranha e é uma ofensa comparar-te a alguém como o Batman.

Não és um Homem-de-Ferro. Não. És algo muito melhor. És um Homem-de-Carne-e-Osso.

Não és um Super-Homem. És “o” Super-Homem. És o Super-Pai. És o Super-Marido. És o Super-Informático. És o Super-Idealista. És o Super-Carlos.

És o meu Super-Herói. E agradeço-to a ti, pois parte do que sou hoje é graças a ti (e à tua, também ela, Super-Mulher, a que chamo de mãe).

És alguém especial, muito especial. E, para mim, as pessoas especiais merecem uma atenção especial. Por isso, todas estas palavras são para ti, meu Super-Herói.

PARTILHAR
Artigo anteriorA minha caravana mágica
Próximo artigoPorque viver é mesmo assim
INÊS DINIZ, a teimosa
Ela é estudante. E tem apenas 14 anos. Gosta de fazer trabalhos manuais e é uma apaixonada pela leitura. Gosta muito de crianças e, por isso, quer ser Educadora de Infância. Se lhe pedirmos para escolher uma frase, com a qual se identifique, é esta: «Tu não és tu, quando tens fome.»