Em ti

431
Fotografia © Andreia de Castro | Design © Laura Almeida Azevedo
Fotografia © Andreia de Castro | Design © Laura Almeida Azevedo

Em ti, me vejo. Em ti, me encontro. Em ti, me perco. Em ti, em frente a ti, sou eu.

Hoje, lembro de mim, como sou, como sempre fui. Hoje, revejo a minha essência. Hoje, valorizo o que realmente tem valor.

Não vivo de opiniões. Não vivo de comentários. Não vivo do que dizem, acham ou pensam a meu respeito. Renasci das cinzas. Sou muito mais eu. Esta sou eu depois de me redescobrir. Vivo bem comigo, pois sei que há quem não gosta de mim, sei que há quem não se identifica, sei que há quem julga e critica mesmo sem conhecer. Mas, no fim, sou eu quem vive comigo mesma e me aceita diariamente.

Já só me falta sentir menos. Preciso de não sentir aquilo que sinto e da forma como sinto. Preciso de travar esta minha mania de sentir por mim e pelo resto do mundo. Mesmo sendo feliz assim, mesmo que, de alguma forma, faça parte da minha essência.

Por fim, encontrei-me e encontrei-te. Porque o meu espelho mostra exatamente aquilo que sou.

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorEntrevista: A nossa visão do mundo
Próximo artigoA missão de cada um nesta vida
ANDREIA DE CASTRO, a princesa
Se fosse o seu pai, dir-nos-ia: «A Andreia é uma princesa... Só ainda não sabe que o é.» E, para ele, isto definiria tudo. Porque a Andreia é amor. Amor pelos outros, mas não tanto por ela própria. Porque a Andreia é família: vive para e por eles. Porque a Andreia é o sorriso, a lágrima, o vento, o sol, o silêncio, o mar e o céu sem limite. E, além de tudo disto, a Andreia é ainda solitária, viajada, artista, insegura, auto crítica, beijoqueira. É a princesa que o pai sempre quis ter. E que, até ao parto, esperavam que fosse um menino... Mas a Andreia, porque também é sentido de humor, enganou tudo e todos. E não se limitou a nascer menina. Nasceu princesa.