É sempre assim no dia da despedida

772
Fotografia © Catarina Andrade | Cartaz © Laura Almeida Azevedo
Fotografia © Catarina Andrade | Cartaz © Laura Almeida Azevedo

O dia começa sempre da mesma maneira: com o coração mais pequeno. É uma parvoíce – eu sei –, porque o coração não pode diminuir. De repente, sinto também que ele está a bater mais devagar, como se desacelerasse de propósito só para me ver aflita. No meio destas sensações bizarras, tenho uma voz dentro de mim que grita, como se eu fosse completamente surda, para eu aproveitar e não pensar em mais nada. Tento ouvi-la, juro que tento, mas não consigo: é sempre mais forte do que eu.

Depois, tento só imaginar que não se passa nada e viver o que há para viver. Respiro fundo, olho em frente e sorrio: não há de ser assim tão difícil fazer isto vezes sem conta. Mas quem é que eu quero enganar? É inversamente contrário a tudo o resto: quanto mais vezes o faço, mais difícil se torna. E essa é a verdade: não há um caminho fácil, ou atalho sequer, que facilite um bocadinho as coisas. Não há paninhos quentes, nem abraços milagrosos. Há só a força – que ainda não descobri de onde vem – e as lágrimas que não caem e me seguram de desabar.

No meio disto tudo, o coração continua a diminuir, enquanto antecipa tudo aquilo que vai ter que ficar para trás, mais uma vez. E eu sei que, no dia seguinte, volto a respirar como se quase nada se tivesse passado, mesmo sabendo que foi tudo tão real. Mas não há como evitar: é sempre assim no dia da despedida.

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorTu em mim
Próximo artigoO diz que disse
CATARINA ANDRADE, a psicóloga a bordo
Tem 27 anos. É psicóloga de formação e assistente de bordo de profissão. Sempre gostou de escrever e, se lhe perguntarem, não se lembra de quando o começou a fazer. Como sempre foi muito crítica para consigo própria, deitava fora quase tudo o que escrevia. Agora, vai-se deixar disso. É este o desafio.