Promessa

324
Fotografia © Stefan Stefancik | Cartaz © Laura Almeida Azevedo
Fotografia © Stefan Stefancik | Cartaz © Laura Almeida Azevedo

Irei
pelas tardes caiadas de silêncios,
em passos certos, acorrentados às horas,
enforcar na vida as mágoas dos meus gestos.

Algemarei
nas lágrimas quadradas que nos ferem,
as traições
e esperarei de pé pela decomposição lenta
destes dias embrulhados na amargura das sombras.

Sozinho,
enrolarei no vento gelado o perfume
que permanece
e, enquanto os ecos da distância não partirem
os muros cobertos de promessas,
marrarei contra eles estas verdades falsas.

Correrei contigo
estes caminhos calcados de palavras
e quando chutar nos abismos
as areias dos vícios gastos
estaremos na madrugada das tardes.

Enfim prontos.
Para vencermos de rastos
as valas pejadas dos cadáveres das distâncias.

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorO doce e saudoso sabor do reencontro
Próximo artigoSou quem sou
FERNANDO JORGE, o biólogo
Cozinheiro, aos 12 anos. Artista de teatro, fundador do grupo Madrugadores do Adro, em Ribeira de Frades, aos 16 anos. Praticante de atletismo na AAC. Professor na Escola Industrial e Comercial da Marinha Grande, aos 21 anos. Começou a escrever o livro Poemas de amor e de raiva, aos 22anos, e ainda continua. E continua.