O doce e saudoso sabor do reencontro

828
Ilustração/Cartaz © Laura Almeida Azevedo
Ilustração/Cartaz © Laura Almeida Azevedo

O som do telemóvel distrai-me e obriga-me a pegar nele. O meu coração fica acelerado quando vejo o teu nome no ecrã. Respiro fundo e atendo. Oiço a tua voz e o meu corpo arrepia-se. Não imaginas as saudades que tinha de te ouvir.

Olho para ti e sinto um turbilhão de emoções. As minhas borboletas, outrora adormecidas, entram novamente em alvoroço.

Havia palavras que eu tinha para te dizer, mas há coisas que não são necessárias falar. Um olhar intenso e profundo vale mais que mil palavras. Sente-se naquele instante, em que, olhos nos olhos, se transmite tudo de mais belo.

Os olhos são o reflexo daquilo que o coração sente.

O olhar, ao contrário da boca, nunca consegue desmentir o coração. O olhar denuncia-nos mesmo sem o querermos e quem nos conhece sabe interpretar o que o nosso olhar reflete

Sinto o teu abraço forte, com tudo o que ele me transmite. Como é bom sentir tal aconchego! Preciso desse abraço longo, demorado, em que fecho os olhos e sinto o calor da tua pele, juntamente com essa fragância que me é familiar.

Porque demoraste tanto?

Senti a tua falta!

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorAmarelo, azul e verde
Próximo artigoPromessa
TERESA SOUSA, a sonhadora
Chamam-lhe Té. Tem 30 anos e é apaixonada por música, literatura e por longos passeios à beira-mar. É sonhadora, emotiva e uma romântica incurável. O que sente é exatamente aquilo que diz. E o que diz é exatamente aquilo que sente. E, na escrita, acontece o mesmo. Fala e escreve com o coração — e, por vezes, o coração diz tanto.