Amarelo, azul e verde

305
Fotografia © Jordan Whitt | Cartaz © Laura Almeida Azevedo
Fotografia © Jordan Whitt | Cartaz © Laura Almeida Azevedo

Sentado num banco de jardim, descanso. Está uma tarde soalheira, com bastante calor, que me faz transpirar por cada poro da minha pele. No parque, as crianças brincam no escorrega e nos baloiços, e à apanhada. Adoro ouvir os seus gritos e risos.

Reclino-me e observo em redor, na direção do céu. Azul, vibrante. Observo os pássaros que esvoaçam no azul, entre as árvores, pousando nos seus ramos, aqui e ali, cantarolando e alimentando os seus filhotes.

Junto a mim está uma árvore, uma oliveira, muito antiga — a avaliar pelo desenho do seu tronco contorcido, largo e escavado. Acaricio o tronco, rugoso, deste nobre espécimen, sentido a sua energia, e a sua proteção. O verde da folhas filtra o amarelo da luz, tornando-as, também, quase verde-amarelado vivo. Raios de luz escapam entre as folhas, criando um efeito de foco luminoso, que se abre à minha frente, qual representação divina.

Está-se magnificamente bem à sombra. Fecho os olhos e sinto a vida em redor. Um brisa fresca percorre-me a face, causando-me um arrepio de prazer.

A vida é tão simples e bela.

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorAma-me quando menos merecer
Próximo artigoO doce e saudoso sabor do reencontro
CARLOS DINIZ, o idealista
É informático, mas as letras também o assistem. Adora ler. Lá porque esta é a sua primeira experiência na escrita, não se deixa intimidar. Os desafios são para isso mesmo. Amante do que é natural, aprecia as coisas boas da vida. Acredita que «os sonhos comandam a vida» — e, aqui entre nós, comandam mesmo.