Sim, foste o amor da minha vida

1609
Fotografia © Alexandra Diaconu | Cartaz © Laura Almeida Azevedo
Fotografia © Alexandra Diaconu | Cartaz © Laura Almeida Azevedo

Um dia, não sei muito bem porquê, o meu coração decidiu amar-te. Não me perguntes a razão, eu não tinha planeado nada, mas o meu coração, sem eu ter qualquer controlo nele, assim o decidiu.

Amei-te com todas as minhas forças. Desejei ter-te ao meu lado todos os dias. Desejei sentir-te a toda a hora.

Tu estiveste lá, mas não estiveste por inteiro. Apenas uma parte tua esteve. Não te entregaste. Não permitiste que eu tivesse chegado verdadeiramente até ti.

Queria ter sabido todos os teus sonhos, e ter feito parte deles. Queria ter sorrido contigo cada vez que sorriste. Queria ter chorado contigo todas as vezes que tiveste vontade de o fazer. Queria ter-te abraçado cada vez que tiveste medo. Queria que me tivesses deixado entrar no teu coração.

Cada beijo que me deste, cada abraço, cada toque foram para ti apenas mais um. A mim faziam-me sentir viva, sentir mulher, rejubilar a cada instante. Sentia que era ali o meu lugar, ao teu lado.

Gostava que tivesses sentido o mesmo. Que tivesses querido adormecer e acordar ao meu lado todos os dias. Gostava que tivesses querido correr todos os dias para mim, só para sentir bater os nossos corações em uníssono, quando nos abraçássemos. Gostava que me tivesses beijado, todas as vezes, como se fosse a última. Que não quisesses nunca largar a minha mão para que estivesse sempre junto a ti.

Gostava que me tivesses amado com todo o teu ser, que estivesses ao meu lado todas as vezes que precisei de um carinho. Que tivesses enfrentado o mundo ao meu lado e que isso fosse a única coisa que para ti fizesse sentido.

Gostava que tivesse sido o amor da tua vida, enquanto ele durasse. E quero que saibas que o meu coração foi só teu, e que, embora ele tenha ficado quebrado em mil pedaços, tu foste o amor da minha vida.

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorTu podes tudo! Tu és força: a tua força!
Próximo artigoÀ conversa com a Angela Caboz: «Amo-te, Miúdo Tonto»
DIANA ROSA, a viajante
Tem 34 anos. Trabalha na área financeira, mas não é isso que a move. A grande paixão — aquilo que a faz vibrar — são as viagens: pelo mundo e pela vida, descobrindo novos lugares, experiências e emoções. Gosta da natureza, de ler, de praticar yoga e de pessoas. Busca ser feliz e realizar sonhos. E este desafio é um passo, inesperado, dado nesse sentido.