Ser em ti

309
Fotografia © Nathan Fertig | Cartaz © Laura Almeida Azevedo
Fotografia © Nathan Fertig | Cartaz © Laura Almeida Azevedo

Desde o primeiro momento que vislumbrei o teu rosto, jamais deixei de te ter presente em mim. Perguntas-me como to posso explicar. E, sinceramente, não o sei! Se calhar, há coisas que sentimos sem precisarem de ser explicadas. São isso mesmo. São sentidas sem qualquer razão aparente ou explicação necessária.

Conhecer-te é o desafio mais importante e intenso que desejo. Quero estar nesse teu universo. Explorar cada galáxia tua e viajar anos-luz contigo, junto a ti. Esta viagem é realmente o caminho que há muito esperava percorrer. O caminho onde os raios de sol abraçam cada novo dia, reconfortando-me o coração e aquecendo-me a alma.

Ser em ti é sinal de vida, sinal de que tenho algo que me guia os passos, que me abraça e acompanha nesta viagem. Não estou sozinho. Vejo-te nas coisas mais simples, nos gestos mais singelos, nas palavras proferidas sem razão aparente, nas cores que me acompanham, como se de mim fizessem parte.

Tocas fundo dentro de mim. O teu olhar faz-me perder dentro da imensidão do teu ser. O teu sorriso é a minha alegria no exterior do meu ser interior. Fui sequestrado por ti.

Sinto-me bem, livre e, pela primeira vez, definido e com certezas do que realmente quero e sou. Cresço graças a ti.

Deixa-me ser. Eu deixo-te estar.

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorFalta-me o teu amor
Próximo artigoO mundo é daqueles que acreditam
CELESTINO MAGALHÃES, o racional
É licenciado em Engenharia Zootécnica, professor de Matemática e Ciências e formador em Tecnologias da Informação. Tem dois mestrados e está num programa de doutoramento em Tecnologia Educativa. Silencioso, independente e organizado, adora ter o controlo de todas as situações — quando é possível. É preocupado com a saúde, com a forma física e diz-se «prudente, meticuloso e racional». É um incorrigível perfecionista. No seu entender, «a busca pela felicidade pessoal pode ser entendida pelos outros como egoísmo». A sua máxima é: «Para ser realizável, basta sonhar!».