Suspiros de amor

1703
Fotografia © Nathan Walker | Design © Laura Almeida Azevedo
Fotografia © Nathan Walker | Design © Laura Almeida Azevedo

Estava a tornar-se um jogo perigoso. Desde o dia que se viram, nunca mais se largaram. Mas onde iria levar tudo aquilo? No seu íntimo, sabia-se um jogo nas mãos dela, mas não lhe conseguia resistir. Era incontrolável. Aquele desejo dos seus beijos ardentes. Aqueles abraços apertados. Os corpos colados um contra o outro. As loucuras que se permitiam fazer juntos.

Ela era tudo o que sempre sonhara. Mas ela também era esquiva, cheia de mistérios, dominada pela adrenalina da aventura e constante mudança.

Seria difícil conseguir que ela ficasse muito tempo na sua vida. Ela era um furacão que tudo transformava. Ninguém ficava indiferente à sua presença. Linda e com uma personalidade dominante. Aqueles olhos verdes penetrantes, que analisavam, como se adivinhassem os pensamentos. A boca bem desenhada, que parecia constantemente pedir beijos, e o corpo bem torneado e bronzeado, capaz de enlouquecer qualquer homem.

Tinham-se passado anos e nunca mais se tinham visto. Ela desaparecera e não queria ser encontrada. Deixara-o bem claro naquela noite. «Não te atrevas a ir atrás de mim» foram as últimas palavras dela. E ele não tivera coragem de ir e, agora, sentia-se culpado. Não mais a esquecera. Sentia-lhe a falta em cada respirar. Ansiava por voltar a vê-la, mas como iria ser se isso acontecesse? Estaria ela igual?

Suspirou e fechou os olhos, enquanto saboreou o último cigarro da noite, envolto naqueles pensamentos, acalentando uma ténue esperança de que talvez, um dia, aquela história, abruptamente interrompida, pudesse ganhar vida novamente.

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorA palavra que sempre te direi
Próximo artigoDeixa que me apresente!
HELENA ISABEL, a misteriosa
Nasceu em dezembro de 1983. Diz-se uma «exploradora da vida». Gosta de ler, de escrever e de pintar. Não da pintura dos guaches e dos pincéis. Mas da pintura com as palavras. É apaixonada, irreverente e sensível a tudo o que a rodeia. Prefere um segundo de realismo a uma eternidade de sonhos.