Erraste…

1613
Fotografia © FreeStocks.Org | Design © Laura Almeida Azevedo
Fotografia © FreeStocks.Org | Design © Laura Almeida Azevedo

O teu problema foi que te apaixonaste pelo meu rosto, sem conheceres a minha alma. Olhaste para a minha imagem e não entendeste o meu coração.

E, sabes, eu sou bem mais do que uma imagem. A minha beleza é bem mais do que aquilo que os teus olhos veem. Eu escondo na minha alma tanto, que os teus olhos não sabem ler. O meu coração diz-te tanto, que tu nunca saberás entender.

Mas foi pela minha figura, que alguns dizem ser bonita, que tu te apaixonaste. Pelo corpo, para o qual tantos outros olhos já olharam, sem que saibam aquilo que sou.

Foi aí que tu estacionaste o teu sentimento. Sem te lembrares que, depois da primavera florida, chegará inevitavelmente o outono. A minha imagem deixará de ser uma linha reta, decorada com as curvas que tu tanto adoras. Os anos irão passar. As rugas marcarão o rosto e o corpo que, em tempos, todos elogiavam. Só o interior, a essência do que sou e que tu não te deste ao trabalho de conhecer, se manterá igual. Aí, as marcas do tempo não irão chegar. Ou, então, chegarão para apurar ainda mais aquilo que já sou.

Tu irás olhar-me e já não gostarás do que vês. Sim, o rosto já não terá o mesmo brilho. As curvas sensuais, que tanto te desorientavam, provocando-te uma subida vertiginosa do desejo, essas, já não terão a mesma aparência. O teu desejo, que servia de capa para o amor, já não me reconhecerá. Tu dirás que a paixão morreu. Que o nosso amor era apenas uma ilusão.

A verdade é que me amaste apenas pela imagem. E essa não é a rota do amor. Quem não conquista a alma nunca amará. Quem toca num corpo, sem conhecer a sua essência, nunca conhecerá a dimensão do amor.

Foi aí que tu erraste. Olhaste para o meu corpo. Perdeste-te pelas minhas curvas, sem perceber a mulher que existia em mim. Agora, és só mais um a somar aos que me assobiavam quando passava na rua. Perdeste-me, ou, melhor, nunca me encontraste.

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorUm beijinho da tua irmã
Próximo artigoOs anjos existem
ANGELA CABOZ, a miúda gira
Nasceu em Tavira há 49 anos. Desde a adolescência que é uma apaixonada pela leitura, pela escrita, pelo cinema e pela música. Escreve sobre sentimentos e, nas palavras, reflete a maneira de ver e de sentir o mundo. Em 2014, realizou um sonho: a publicação do seu livro «À procura de um sonho». Desde então, tem participado em várias obras coletivas.