À procura

681
Fotografia © Sílvia Santos | Design © Laura Almeida Azevedo
Fotografia © Sílvia Santos | Design © Laura Almeida Azevedo

Eu. Aqui.

Eu. Agora.

Eu. Quem sou eu? O que fui, o que sou, o que mais ser?

Aqui. Onde? De onde venho, onde estou, para onde ir?

Procurando. Buscando. Encontrando… é assim que continuo.

À procura das estrelas que guiem o meu caminho…

À procura da lua cheia que me inspire e me alumbre…

À procura do abraço do sol, alegre e envolvente, que me aqueça o corpo, o coração a alma…

À procura de terra seca, onde possa caminhar em segurança passo a passo, a trote ou a galope…

À procura de água pura e cristalina, que limpe, clareie e desanuvie a minha mente…

À procura de ar pleno de oxigénio, que encha os meus pulmões de esperança, coragem, alegria e paz…

À procura do fogo, que arde cá dentro, para o forçar a sair e a lutar contra tudo o que me machuca e me deixa triste.

À procura de mim mesma. De quem eu era, quem sou, quem quero ser…

À procura da heroína que há em mim. Essa que conquista tudo o que me preenche, tudo o que acrescenta vida à minha vida.

À procura de um sentido para a vida. Para a minha. Para a tua.

E é assim que continuo… Procurando. Buscando. Encontrando.

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorE se as tuas borboletas nunca morrerem no meu estômago?
Próximo artigoEra uma vez…
SÍLVIA SANTOS, a menina-mulher
Diz, por brincadeira, que é a Sílvia e a Aivlis — o seu nome escrito de trás para a frente. Porquê? Porque é de opostos. Voa e rasteja. Ri e chora. Reflete e descontrai. Uma menina-mulher, das que não sabem que sabem e que pensam que não sabem, mas sabem. Forte, mas resistente. Insegura, mas persistente. Com sede de viver, de sentir, de experimentar coisas novas: tanto pratica artes marciais, como salta em queda livre no meio das palavras. O que a sufoca? A monotonia. Anda constantemente em busca de novos desafios — e foi assim que veio aqui parar.