Sedução em movimento

402
Design © Laura Almeida Azevedo
Design © Laura Almeida Azevedo

Para aquilo que se segue
Deixo aqui algumas sugestões
Façam-se acompanhar de um belo par
Preparem uma sala à meia-luz
E queiram qualquer público dispensar
Acrescentem a tudo isto
Música quente e envolvente
Recomendam-se ritmos africanos
Kizomba, semba ou tarraxinha
Ou, se os ritmos latinos preferir,
Bachata, tango ou rumba

Agora, segurem-se
Fechem os olhos e deixem-se conduzir
Permitam que a vibração tome conta de vós

Um, dois, três… quatro, cinco, seis

A dança é a sedução em movimento
Tal qual uma serpente encantada
São corpos inebriados pela música
Curvas que ganham vida com o ritmo
O jeito como se enquadram os dois
O roçar provocante de um no outro
Tentação, atrevimento, desejo
Corações acelerados
Respirações ofegantes

Seis, cinco, quatro… três, dois, um

Tu e ele imersos um no outro
Dois num só movimento harmonioso
Sincronizados com a cadência da música
São dois corpos que se convidam
Dois corpos que se deixam levar
São mãos sorrateiras que deslizam
São passos que se demoram com intenção
Revelam-se vontades secretas
Que o balanço vem despertar

Um, dois, três… quatro, cinco, seis

E num puro jogo de luxúria e malícia
Encosta-o à parede e dança para ele
Destrói-lhe as defesas uma a uma
Leva-o à loucura sem lhe tocar
Até tudo em seu redor deixar de existir
E é assim que se dança com o fogo
Começando na vertical, anca com anca
E acabando na horizontal contra o chão
No encaixe perfeito da sedução

Seis, cinco, quatro… três, dois, um

Se a música deixar de se ouvir
Não há com que se preocuparem
Agora a batida dos vossos corações
É suficiente para vos embalar
Até onde o prazer vos elevar

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorQuando crescer, [não] quero ser como tu
Próximo artigoAdivinha-me a voz (29 de junho)
ANA PEREIRA, a inquieta
Nasceu numa noite estival, mas tem alma outonal. Convive com os números, mas encontra refúgio nas palavras. Aparenta serenidade, mas governa-a uma mente deveras inquieta. Se lhe perguntarem, é assim que se define a si própria. Aliás, estas foram palavras dela.