Não é todos os dias que encontramos a nossa alma gémea

376
Fotografia © Helena Fonseca | Design © Laura Almeida Azevedo
Fotografia © Helena Fonseca | Design © Laura Almeida Azevedo

Saudades de ti. Do teu beijo. Das tuas mãos. Do teu abraço. Do teu conforto. Confiança. Do teu eu. Do teu verdadeiro ser. Dou tudo em mim e para ti. Saudades do teu olhar em mim. Saudades da nossa troca de olhares. Saudades do simples. Dos pequenos gestos. Esses que são os mais importantes. De tudo o que existe por detrás. Da verdadeira história. Essência. Do facto de ter nascido algo belo entre nós.

Não tenhas medo. Confia. Vem com toda a tua força. Não te vais arrepender. Bem o sabes. Algo te trava. Não deixes nada, nem ninguém travar seja o que for na tua vida.

Lembro-me perfeitamente de como te conheci. Do que estavas a fazer. De tudo. De todos os pormenores. Há coisas que não se esquecem!

Agora, estás tu de um lado e eu de outro. Esperamos um pelo outro. Tenho a certeza de que o tempo, oh sim, esse, será nosso amigo. Que o universo conspirará a nosso favor. Afinal de contas, não é todos os dias que encontramos a nossa alma gémea. Sim. Alma gémea.

És tudo aquilo com que sempre sonhei. Agora, que te encontrei, não te quero perder. Quero-te aqui e agora. Sim, a ti!

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorPoema de amor
Próximo artigoTenho a certeza de que tu tens um sonho
HELENA FONSECA, a borboleta
Tem 34 anos. É Psicóloga Forense. Adora escrever o que lhe vai na alma e no coração. Adora treinar os seus cães, praticar desporto, ir ao cinema e ler. A natureza — sobretudo, o mar, a praia — dá-lhe tranquilidade, paz. É uma apaixonada pela vida, pelas pessoas e por si própria. E, aqui entre nós, é também uma romântica, que ainda acredita no príncipe encantado.