O nome do meu sorriso

1722
Fotografia © Celestino Magalhães | Design © Laura Almeida Azevedo
Fotografia © Celestino Magalhães | Design © Laura Almeida Azevedo

Os sentimentos são forças que nos controlam como marionetas da vida e, por vezes, ultrapassam os limites dos nossos sentidos, sendo difícil de ser controlados e muito menos dominados.

São eles que moldam os nossos corpos de barro, dão forma ao nosso ser e fazem respirar os nossos corações. Alguns são puros, aparecem sem anunciar e colocam os nossos corpos num êxtase ou estado de catarse, fazendo-nos sofrer em silêncio e quase sufocando na nossa angústia.

A vida podia ser simples, mas perderia o seu verdadeiro significado. Tudo aparece porque assim tem de ser. Não existe nada que não tenha um significado, uma razão para surgir na nossa vida.

Poderia estar aqui a falar de sorrisos, de nomes, mas não… Vou falar de pessoas… Também não! Vou falar apenas de um ser. Daquele ser que nos arrebata, que nos deixa sem ar, que nos rouba o sono, que nos dá os sorrisos… dá-nos os sonhos que comandam a vida.

Na primeira vez que te vi, o meu sangue gelou. Um arrepio apoderou-se de mim sem avisar — um sinal que ainda hoje guardo e que tento compreender. Explicar o inexplicável? Não o sei. Sei que os sentimentos não merecem explicação. Apenas merecem ser sentidos para dar sentido às nossas vidas.

Muitas dúvidas surgiram a partir desse momento. Até quem era cético acerca do amor à primeira vista começou a questionar a sua existência.

A vida só tem sentido quando partilhada, mas partilhada com sentido.

A minha mudou a partir desse dia. Recebi uma tranquilidade e um conforto que procurava. Pensar em ti é pensar na vida, sentir o sangue a fervilhar e o coração a apertar. Contigo aprendi muito e continuo a aprender. Contigo passei para o próximo nível. Tornei-me uma pessoa melhor.

Gostar de ti é o melhor em mim. Sentir-te torna os meus dias mais radiantes e merecidos de serem vividos. Querer-te é respirar!

Tu és o nome do meu sorriso!

Tu és o melhor de mim!

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorViver em pânico
Próximo artigoOlha para os meus olhos
CELESTINO MAGALHÃES, o racional
É licenciado em Engenharia Zootécnica, professor de Matemática e Ciências e formador em Tecnologias da Informação. Tem dois mestrados e está num programa de doutoramento em Tecnologia Educativa. Silencioso, independente e organizado, adora ter o controlo de todas as situações — quando é possível. É preocupado com a saúde, com a forma física e diz-se «prudente, meticuloso e racional». É um incorrigível perfecionista. No seu entender, «a busca pela felicidade pessoal pode ser entendida pelos outros como egoísmo». A sua máxima é: «Para ser realizável, basta sonhar!».