Amo e odeio na mesma proporção

800
Fotografia © Helena Isabel | Design © Laura Almeida Azevedo
Design © Laura Almeida Azevedo

Não gosto de indefinições, nem de quem me acinzenta o mundo. Não sei lidar com o meio-termo e nem tão pouco com meios amores. Sou o desejo demoníaco e o anjo escondido, à espreita. Sou um mar revolto que também tem os seus dias de calma. Umas vezes, criança. Outras vezes, mulher. Com um turbilhão de emoções à flor da pele. Sou feita de emoções. Defino-me de certezas. Sei o que quero e quando quero. Amo com todas as minhas forças e odeio na mesma proporção, se assim tiver de ser.

Apego-me a ti como se fosses o meu ar e, se me magoares, desapego-me como se a tua presença me impedisse de respirar. Gosto da urgência do teu querer e da falta de pressa com que demoras os teus beijos em mim. Gosto que não tenhas meias palavras, nem desculpas; que não compliques o simples, que saibas o que queres e que queiras agora. Gosto dos teus sorrisos que me abraçam de longe, que me arrancam sorrisos de volta e que me curam as lágrimas. Derreto-me quando acordo e tenho uma mensagem tua, que me arranca o primeiro sorriso da manhã. Fazes-me sorrir mesmo que não estejas aqui e, ainda que o dia esteja cinzento e frio, tu aqueces-me a alma.

Não gosto do morno, pois isso é para quem vive em banho-maria. E eu vivo intensamente cada dia, fazendo dele único.

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorSabes, mãe, às vezes, apeteces-me
Próximo artigoImpotência
HELENA ISABEL, a misteriosa
Nasceu em dezembro de 1983. Diz-se uma «exploradora da vida». Gosta de ler, de escrever e de pintar. Não da pintura dos guaches e dos pincéis. Mas da pintura com as palavras. É apaixonada, irreverente e sensível a tudo o que a rodeia. Prefere um segundo de realismo a uma eternidade de sonhos.