Aquele beijo

1257
Fotografia © Helena Isabel | Design © Laura Almeida Azevedo
Fotografia © Helena Isabel | Design © Laura Almeida Azevedo

Naquele dia, o tempo parou para tomar nota e tudo mudou.

No fundo da rua, a minha vida cruzou-se com outra vida e o meu coração bateu com mais força.

A sua beleza atraíra-me, o seu olhar seduziu-me, o seu sorriso encantou-me, as suas atitudes fascinaram-me e a sua personalidade, essa, prendeu-me para sempre.

Ela era linda, mas não apenas como as raparigas das revistas. Ela era linda também no seu interior, porque tinha um brilho no olhar. Ela era linda na maneira como depositava paixão em tudo o que fazia, com o seu jeito de fazer sorrir as pessoas que estavam tristes. Ela não tinha apenas uma beleza temporária, que se perde com o tempo. Era mais do que isso. Ela tinha beleza na alma.

Cometeram-se loucuras, fizeram-se vontades, mudaram-se rumos e uniram-se vidas naquele dia.

Aquele beijo mudou tudo. Aquele beijo, que só ela me soube dar e que se tornou tão nosso, com sabor a quero mais, que não apetece largar.

Um beijo tem um poder mágico, indescritível, quando não é ausente de sentimento, quando são duas almas que se tocam num momento único.

É difícil encontrar quem nos beije a alma, fácil tropeçar em beijos vazios, que em nada nos tocam, que nada transmitem. Mas beijos de alma, esses, sim, são raras preciosidades que fazem a felicidade de quem os conseguir dar. E nela encontrei o meu.

Basta o seu sorriso para iluminar o meu dia mesmo que o sol teime em não se mostrar. Ela tem esse dom de brilhar mais do que o sol.

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorO coração quer o que o coração quer
Próximo artigoComo lhes explicar?
HELENA ISABEL, a misteriosa
Nasceu em dezembro de 1983. Diz-se uma «exploradora da vida». Gosta de ler, de escrever e de pintar. Não da pintura dos guaches e dos pincéis. Mas da pintura com as palavras. É apaixonada, irreverente e sensível a tudo o que a rodeia. Prefere um segundo de realismo a uma eternidade de sonhos.