Itália

867
Fotografia © Carina Maurício, em «A minha visão do mundo, da vida e das coisas» | Design © Laura Almeida Azevedo
Fotografia © Carina Maurício, em «A minha visão do mundo, da vida e das coisas» | Design © Laura Almeida Azevedo

Itália é vida a correr nas ruas. É agitação. É o som das lambretas. É o frenesim nos monumentos. É ouvir numa mesma rua todos os idiomas do mundo. É respirar. É transpirar. É admirar arte a cada recanto. É sentir o aroma de pizza ou de chocolate dos crepes nas ruas.

Itália é deixar-se perder pelas paleta de cores que enchem o olhar, seja nos edifícios, nos mercados com produtos frescos ou na variedade de gelados artesanais, à venda em cada esquina.

De Veneza, guardo na memória o som dos vaporettos. Guardo a astúcia e o equilíbrio com que os gondoleiros manobram as gôndolas, usando apenas um remo, o corpo e um pé na parede mais próxima. Guardo a arte vidreira de Murano e as cores vivas e os contrastantes das casas de Burano. De Verona, guardo o romantismo da história de Romeu e Julieta! Cinqueterre, com as suas casas amontoadas e coloridas, que, ao longe, parecem ilustrações de histórias infantis. De Pisa, guardo a persistência da torre inclinada contra a teoria da gravidade. Florença é a casa dos artistas, a cidade museu. Cada pessoa, cada momento, cada edifício é arte! De Nápoles, guardo o caos, o ruído nas ruas, o sabor da melhor pizza. De Pompeia, guardo o que resta da existência dos romanos, as casas onde viveram, o chão que pisaram, os objectos que usaram… Roma cosmopolita. Metade moderna, metade antiga. De Roma, guardo o humanismo do Papa Francisco.

Itália é para observar, cheirar, ouvir, sentir, saborear. Itália é para ser apreciada com todos os sentidos, com o coração a palpitar. Itália é romance! São declarações e manifestações de amor inesperadas.

Itália é cultura, é pizza e pasta, é buongiorno, é bella, é ciao, é gelato, é arriverderci…

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorQuem ama por inteiro não pode reclamar só metade
Próximo artigoNão é tarde
CARINA MAURÍCIO, a fotógrafa
É budista e conservadora-restauradora. É de riso e choro fáceis. Tem tanto de sensível, quanto de corajosa e lutadora. Adora fotografar, jogar ténis e viajar. Viciada em comida, é fã de comida italiana. Gosta de dormir, de café, de chocolate. Dançar? Pode ser a noite toda. Mas também gosta de ficar na ronha, em casa, entre filmes e pipocas. Adora o som da chuva a cair no inverno e o som do mar em dias de verão. Campos floridos enchem-lhe o olhar, assim como as cores das folhas do outono. Apaixona-se facilmente e é uma apaixonada pela vida. Uma geminiana pura.