Os anjos também têm Alzheimer

647
Fotografia © Nuno Correia | Design © Laura Almeida Azevedo
Fotografia © Nuno Correia | Design © Laura Almeida Azevedo

Desperto com o aroma de café a entrar pelo quarto. E a primeira memória, que me atravessa a mente, é o aconchego que sentia quando estava contigo. Lembro-me da minha infância, da sensação de alegria que sentia de cada vez que ia a tua casa. A casa da minha avó.

Cresci sem saber muito bem porque gostava de ti. Cresci sem entender o papel que tinhas na minha vida. Cresci a apreciar o teu modo de viver. Cresci a saber que eras apenas tu, assim apenas e só! Trato fácil, sorriso e gargalhada tão genuínos que dava gosto só de ver.

Ainda hoje, sinto aquele cheiro que só tu conseguias fazer sair da cafeteira. É daqueles encantos naturais que não entendemos e nem conseguimos explicar. Com o passar dos anos, sentes. Apenas sentes.

O triste é que tudo acaba. Tudo o que é bom acaba. O eterno cliché de «a vida é mesmo assim». Não, não é! Não pode ser. Recuso-me a aceitar que esse mesmo cliché possa magoar dessa forma tão cruel.

Sempre te vi como o meu anjo da guarda. Só que os anjos da guarda também têm Alzheimer.

Nem tu te apercebes do que te está a acontecer. Nem tu te apercebes do que se está a passar à tua volta. Nem tu notas nas lágrimas que deitas a sorrir. Mesmo assim, esse sorriso contagia. Mesmo não sabendo quem eu sou, sorris.

É para mim que sorris. É para mim que os teus olhos brilham. E eu não vou esquecer. Mesmo que me esqueças, eu não esqueço. Mesmo que não te lembres de mim, eu vou gostar sempre de ti…

Da minha avó.

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorNão te disse já que gosto muito de ti?
Próximo artigoHoje, chorei
NUNO CORREIA, o desportista
Tem 36 anos. Nasceu em Coimbra. É um apaixonado pelo desporto e pelo ar livre. Descobriu o gosto pela escrita no dia em que deixou de acreditar no amor... Ou, aqui entre nós, talvez não.