Saudade

973
Ilustração © Laura Almeida Azevedo
Ilustração © Laura Almeida Azevedo

Saudade é uma palavra tão simples e, ao mesmo tempo, tão complexa. Saudade que nos desarruma os pensamentos, que revolve as nossas memórias.

Saudade é estar rodeada de uma multidão e, ao mesmo tempo, rodeada de uma presente ausência. A saudade é como uma sombra veloz. Quanto mais dela fugimos, mais próximo fica de nós!

Saudade. Nostalgia repartida entre o que vai e o que fica. A tua ausência esvazia-me. Entristece-me a falta do teu abraço forte e acolhedor, do brilho desse olhar penetrante, que me enfeitiça. Saudade daquele beijo que corta a respiração, que desperta as borboletas, que nos deixa com um riso fácil de felicidade.

A vida é uma caixinha de surpresas e, no que se refere ao coração, não escolhemos aquilo que sentimos… Ao longo da vida, cruzamo-nos com diversas pessoas. Há aquelas que passam e desaparecem, mas há aquelas que entram tão silenciosamente que, quando damos conta, já têm raízes entranhadas em nós. Pessoas que, embora fisicamente ausentes, permanecem no pensamento. E, passe o tempo que passar, terão sempre um lugar especial no nosso coração.

O amor é um emaranhado de sentimentos, emoções e de saudades que perduram.

Guardo-te numa caixinha vermelha.

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorSer pai
Próximo artigoManifesto: direito ao amor (recíproco)
TERESA SOUSA, a sonhadora
Chamam-lhe Té. Tem 30 anos e é apaixonada por música, literatura e por longos passeios à beira-mar. É sonhadora, emotiva e uma romântica incurável. O que sente é exatamente aquilo que diz. E o que diz é exatamente aquilo que sente. E, na escrita, acontece o mesmo. Fala e escreve com o coração — e, por vezes, o coração diz tanto.