Amor aos pedaços em jeito de abraços

1108
Fotografia © Helena Isabel | Design © Laura Almeida Azevedo
Fotografia © Helena Isabel | Design © Laura Almeida Azevedo

Perguntas-me no que estou a pensar. «Em tudo e em nada», digo-te eu. Penso naquele dia em que fechei os olhos e o tempo parou…

Deste-me a mão e o meu mundo ganhou equilíbrio. De repente, tudo fez sentido. Agarrei-te a mão, como se segurasse a minha vida. Abracei-te e tu e abraçaste-me ainda com mais força, como se me dissesses para nunca mais ir embora. Esquecemos tudo. Apenas sentimos.

Quando me olhaste, roubaste a minha alma e, quando partimos, levámos em segredo o coração um do outro. Quando seria expectável não serem nada, aqueles momentos foram tudo.

Quiseste-me e eu quis-te também. Tocaste-me alma e só assim te permiti que me tocasses na pele. E, hoje, passado este tempo, os nossos quereres estão ainda mais fortes. És o meu porto de abrigo, o miminho bom e meigo e a paixão avassaladora que me dá vida. Fazes-me voar na certeza de que nunca me irás deixar cair. Respiro-te e falta-me o ar, quando não te tenho. Devolveste-me a cor da vida que eu julgava já perdido.

Quero que sejas a nova página da história que nunca mais vamos esquecer.

Quero escrever cada linha contigo.

Quero que fiques comigo num momento eterno, enquanto as nossas vontades o permitirem. Quero que sejas um novo começo, que voes comigo e prometo não te deixar cair. Continua a ser o teu coração, encostado ao meu, o que melhor me veste a alma! Ficas-me bem, assim, num suave laço que não estrangula, mas aconchega.

A vida, agora, tem outro sabor. Sabe a felicidade. Sabe a sorrisos, a mimos e a abraços. Sabe a ti, a nós, e sabe tão bem dar-te amor aos pedaços, em jeito de abraços.

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorÉramos tão felizes e não sabíamos
Próximo artigoÉ para ti que escrevo
HELENA ISABEL, a misteriosa
Nasceu em dezembro de 1983. Diz-se uma «exploradora da vida». Gosta de ler, de escrever e de pintar. Não da pintura dos guaches e dos pincéis. Mas da pintura com as palavras. É apaixonada, irreverente e sensível a tudo o que a rodeia. Prefere um segundo de realismo a uma eternidade de sonhos.