Não sabia que uma noite podia mudar tudo

1027
Design © Laura Almeida Azevedo
Design © Laura Almeida Azevedo

Não me importo muito com ser assim e sentir desta forma. Consigo adormecer contigo no pensamento, suspirar só de pensar no teu sorriso, estremecer com um simples toque teu.

Não se explica algo inexplicável. Eu, pelo menos, não consigo. O brilho que salta dos meus olhos, quando te vejo, quando te ouço, quando te sinto, quando te respiro. Passei a acreditar em magia. Em duas pessoas como nós. Em coisas que só acontecem aos outros. Como é o silêncio, quando estamos juntos? Não sei. Simplesmente, não me deixas saber.

Fazes-me coisas que simplesmente odiava. Passei a apreciar o impensável. Passei a sentir borboletas no estômago, a suspirar em vez de respirar.

Se eu pudesse mudar aquele momento, mudava? Não. Definitivamente, não. Por vezes, fazemos escolhas na vida e são essas escolhas que nos definem. E o que me define és tu!

És tu quem eu quero. O que posso eu fazer? Que coisa é esta que me prende? Que me faz estar assim, dependente de uma palavra, de um gesto, de um olhar?

Os teus lábios fazem-me tremer, e, ao fim de umas horas, tudo em ti me parece familiar. E era como se nos conhecêssemos desde sempre. Saí desta letargia que me consumia. Lembro-me de ter olhado para as tuas mãos e ter achado que elas tinham o tamanho perfeito para agarrar as minhas. Como eu quero que as noites não acabem!

A minha cabeça não para. O teu nome não sai do pensamento até eu adormecer. E nunca sei se venho embora cedo de mais. Não sabia que uma noite podia mudar tudo, que podia reinventar todos os meus sonhos.

O meu corpo ferve, quando penso na maneira como os teus olhos me atravessaram e como ainda me sinto uma criança, sempre que oiço o teu nome.

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorOs homens também choram
Próximo artigoA viagem
NUNO CORREIA, o desportista
Tem 36 anos. Nasceu em Coimbra. É um apaixonado pelo desporto e pelo ar livre. Descobriu o gosto pela escrita no dia em que deixou de acreditar no amor... Ou, aqui entre nós, talvez não.