O coração

1083
Ilustração © Laura Almeida Azevedo
Ilustração © Laura Almeida Azevedo

O coração salta-me cá para fora, quando penso em ti.

Quando olho para ti e vejo parte de mim: nas tuas mãos, nos teus pés, nos teus olhos, no teu cabelo, até na tua barriga.

Salta cá para fora quando te vejo tropeçar, quando sinto ao longe uma dor de barriga, quando os números não param de subir e só se detêm nos 38,5.

Salta cá para fora e vai aos saltinhos – tum, tum, tum, tum – pelo chão. E, depois, agarro-te e agarro-o desesperadamente e ponho-o cá dentro, de novo, a bater.

Salta, quando choras. Rebenta, quando dizes que me amas. Amarro-o, quando te deixo por uns dias. Salta-me, outra vez, quando te reencontro.

Meço as palavras. Absorves-me em cada coisa que digo, em cada gesto que tenho. E, oh, se isso é suficiente para querer ser melhor todos os dias!

Para te ser fiel.
Para te ser exemplo.
Para te ser. Só. Inteira.

Afinal, será mais que isto ser mãe?

Comments

comments

PARTILHAR
Artigo anteriorGrata por te amar e por estar viva
Próximo artigoOvelha negra
JOANA TAVARES, a apaixonada
Joana, ribatejana a viver (n)a capital há uma década. Divide-se todos os dias em vários papéis que adora – mãe, mulher, filha, neta, irmã, amiga e colega – e, em cada um, tenta dar o melhor de si. A viver os 30 intensamente, continua a apaixonar-se todos os dias. Quando lhe sobram minutos, passa as paixões para o papel. Para nunca se esquecer do bom que a vida lhe dá.